A relação entre mercado imobiliário e mercado de capitais
POR
Ricardo Almendra (Ralmendra)

top
Publicado em
17 / 06 / 2019
Foto Autor
Autor
CEO e Fundador RBR Asset
Avaliações
1 Estrela 2 Estrela 3 Estrela 4 Estrela 5 Estrela
A relação entre mercado imobiliário e mercado de capitais

Vivemos uma fase de transição no país, com um novo governo de tendência mais liberal no plano econômico. Com uma possível redução do tamanho do Estado, é fundamental para o desenvolvimento do país criar regras e segurança jurídica em todos os setores, para o crescimento do mercado de capitais brasileiro, gerando, assim, confiança e novos investimentos.

Trazemos para análise alguns dados comparativos entre Brasil e Estados Unidos, país referência em termos de desenvolvimento imobiliário. Vejamos especialmente dois dados: crédito imobiliário e fundo imobiliário.

No Brasil, o crédito imobiliário/PIB atual está em 8,7%, segundo dados do Banco Central (Bacen). Este indicador vinha num crescente desde 2007, quando saiu do patamar de 2%, porém começou a estagnar no momento em que o país entrou em recessão (2014-2016). Houve queda importante na concessão de crédito tanto para pessoa física quanto para pessoa jurídica...

Como referência, nos EUA, o mesmo indicador se situa em 75%. Em outros países, como Holanda e Espanha, o crédito/PIB gira na casa de 60%. Claramente, estamos muito longe do patamar ideal para o desenvolvimento do mercado imobiliário.

Ainda em crédito imobiliário, é impensável imaginar que o setor público continue representando cerca de 60% do financiamento total disponível do setor imobiliário, de acordo com dados do Bacen. Para um crescimento de longo prazo sustentável, é necessário que o setor privado assuma papel relevante.

Neste sentido, há uma luz no fim do túnel para o desenvolvimento do setor imobiliário, vinda de instrumentos de dívida como CRIs (Certificados de Recebíveis Imobiliários), FIIs (Fundos de Investimento Imobiliários) e a “novata” LIG (Letra Imobiliária Garantida).

Destes, o mercado com maior potencial de crescimento, possivelmente o principal vetor de avanço para a virtuosa simbiose entre mercado imobiliário e mercado de capitais, é o de FIIs. Como referência de tamanho, os FIIs nos Estados Unidos, conhecidos por REIT (Real Estate Investment Trust), têm valor de mercado de US$ 1 trilhão, ou 5% do PIB dos EUA. Em contrapartida, este mesmo mercado [FIIs] no Brasil soma um valor de mercado de R$ 55 bilhões, ou seja, menos de 1% do PIB brasileiro.

A despeito desta baixa representatividade, o mercado de FIIs tem crescido a passos largos no Brasil. Saímos de 10 mil investidores neste veículo em 2010 para 200 mil em 2018. E, hoje, 285 mil investidores pessoas físicas investem no setor via FIIs. Mantida esta força de crescimento, é provável que, em menos de três anos, tenhamos mais investidores no Brasil em FIIs que em ações da B3.

Intuitivamente, este movimento é razoável dado o “amor” do brasileiro por imóvel bem superior ao mundo de ações. Os FIIs podem ser um excelente instrumento de Previdência ao investidor, assim como os REITs são nos EUA, onde aproximadamente 25% das pessoas investem neste veículo, segundo a Nareit (National Association of Real Estate Investment Trusts).

O paralelo entre os números de crédito imobiliário e fundo imobiliário Brasil versus EUA mostra o potencial que a nossa pátria tem em se desenvolver. E mais, isso não é algo apenas desejável, mas sim necessário para o sucesso de qualquer país.
Índices XP de Fundos Imobiliários
Os índices da bolsa funcionam como um termômetro para o mercado de investimento, pois medem o desempenho de um conjunto de ativos. Esse conjunto de ativos formam uma carteira teórica. O valor real do índice da carteira teórica é o valor de mercado dos ativos negociados na bolsa de valores.
Foto Autor
Daniel Chinzarian
25 / 09 / 2020 5 min de leitura
Escolha de bons FIIs vai além de análise sobre dividend yield
A lógica do investimento em ativos do segmento imobiliário para renda é simples: compra-se a perspectiva de receber futuramente aluguéis ou, no caso de fundos imobiliários, dividendos. Ao fazer uma análise menos comprometida, a promessa de altos retornos iniciais pode ser muito atraente para a decisão do investidor sobre o aporte de seus recursos. Porém, para evitar a surpresa desagradável de ter uma perda relevante no futuro, é preciso ter em mente quais são os motivos que explicam esses rendimentos acima da média e se eles serão sustentáveis ao longo do tempo.
Foto Autor
Barzel Ltda
26 / 04 / 2021 5 min de leitura
Quantos FIIs devo ter na minha carteira?
“Quantos FIIs devo ter na minha carteira?”. E isso dispara uma chuva de respostas com os mais variados números. Cada estudo vai fazer um recorte específico para olhar essa questão sob uma certa perspectiva; neste artigo iremos analisar esta questão para verificar se existe um número específico de FIIs.
Foto Autor
Nathan Octavio
29 / 12 / 2018 5 min de leitura

Cadastre-se gratuitamente e faça parte do maior site de Fundos Imobiliários do Brasil!

Efetuando o seu cadastro, você está concordando com os nossos termos de uso. Será enviado um e-mail solicitando a confirmação do cadastro.
O Clube FII preza pela qualidade do conteúdo e verifica as informações publicadas, ressaltando que não faz qualquer tipo de recomendação de investimento, não se responsabilizando por perdas, danos (diretos, indiretos e incidentais), custos e lucros cessantes.