ESG: a mensagem é clara (mas pouco compreendida pela indústria imobiliária)
POR
Andre Dias (AMD)

top
Publicado em
16 / 09 / 2021
Foto Autor
Autor
Gerente de RI e Novos Negócios
Avaliações
1 Estrela 2 Estrela 3 Estrela 4 Estrela 5 Estrela

O compromisso com a sustentabilidade está se tornando absoluto em todas as indústrias, e não é diferente para os escritórios. As mais diversas empresas já se comprometeram a zerar as emissões de carbono até 2050 (prazo em que os especialistas indicam como limite para zerar as emissões e evitar efeitos piores ao clima), com muitas delas colocando metas ousadas já para 2030. O tema, na verdade, não é novo. O Google, por exemplo, se diz neutro em emissões de carbono desde 2007.


Atualmente, a preocupação ambiental virou quase que onipresente. Com isso em mente, e pensando nas ocupações das empresas em 3, 5 ou 10 anos, qual escritório elas vão preferir ocupar: os mais ou menos eficientes? As certificações sustentáveis LEED Gold, LEED Platinum ou NetZero serão um diferencial na hora da escolha de suas sedes? Talvez essas empresas nem tenham a opção de considerar prédios menos eficientes, dados os compromissos já assumidos e os custos que a pegada de carbono provavelmente terá no futuro. Isso nos leva a pensar, será que ativos sustentáveis serão precificados de maneira similar àqueles com pouca ou nenhuma preocupação ambiental?


Outro aspecto importante é a questão social (o ‘S’ do ESG). São inúmeros os impactos que os edifícios causam ao seu entorno, alguns positivos e outros negativos. Cada vez mais os desenvolvimentos imobiliários devem ser inclusivos ao seu entorno e às pessoas. Um relatório recente do GRESB traz um conceito interessante de eficiência para edifícios, em que ela seria medida pela quantidade de pessoas e pelo tempo de uso que elas podem fazer do empreendimento. Lugares que possam ser usufruídos por diferentes pessoas, 24h por dia e 7 dias por semana seriam os mais eficientes.


Curiosamente, a principal região de escritórios de São Paulo, a Faria Lima, ficou praticamente deserta durante a pandemia com os escritórios fechados. Uma falta de outros tipos de serviços, áreas verdes e públicas e outras amenidades tornam esta região pouco explorada fora do horário comercial. Uma revitalização das áreas privadas abertas ao público de alguns dos edifícios pode ajudar a transformar positivamente esta região da cidade, que é o coração financeiro do Brasil.


Desde nossa fundação em 2007, a Autonomy investe no desenvolvimento de ativos sustentáveis com retornos financeiro no primeiro quartil. O Rochaverá (primeiro LEED Gold do Brasil), precursor dos espaços de fruição pública em São Paulo, oferece à cidade 10 mil m² de áreas livres verdes (com espécies da mata atlântica), conectada à rede de transporte público. Ocasionalmente, vemos moradores da região andando com seus cachorros neste jardim. Quem disse que um edifício corporativo não pode contribuir com a melhoria do bairro onde está inserido?


Buscamos levar este conceito a outro patamar no Moinho Fluminense, projeto que estamos desenvolvendo no Rio de Janeiro, compreendendo o retrofit de um patrimônio industrial de 1880, que acolherá não somente a comunidade local, mas todos os cariocas e visitantes com espaços de trabalho e de experiência, tornando-se um novo ícone da cidade. Estes investimentos reforçam a nossa crença de que os ativos mais valorizados são aqueles que, além de excelente localização e padrão construtivo, incorporam inovações sustentáveis e sociais.


O Futuro dos Escritórios
Não é de hoje que a arquitetura e as características dos espaços corporativos refletem o contexto social e econômico de sua época. Quando olhamos para o final do século XIX com a disseminação do Taylorismo, podemos observar como os espaços corporativos eram estruturados para refletir a busca pela otimização de processos e as segregações hierárquicas que acompanhavam esse modelo.
Foto Autor
ERICA SOUZA
11 / 06 / 2020 5 min de leitura
Dividend Yield – O retorno anual exigido pelos investidores de FIIs
Como o investidor pode estimar um “retorno mínimo exigido” que vai receber de dividendos ao comprar cotas de um FII. O spread (prêmio) entre a taxa anual paga no título Tesouro IPCA+ de longo prazo e DY anual esperado de um fundo imobiliários é um bom ponto de partida.
Foto Autor
Thiago Otuki
23 / 04 / 2018 5 min de leitura
O yield dos FIIs e os indexadores dos ativos
No ano de 2020, o CDI acumulou 2,8%, o IPCA registrou 4,5% e o IGPM saltou 23,1%. No passado, se medido contra o IGP-M, o CDI já havia produzido juro real negativo em 2019, e também em 2002, quando o dólar avançou bastante pela incerteza acerca do governo do PT que se avizinhava. Porém, há dois ineditismos no comportamento dos indexadores em 2020, quais sejam: (i) o CDI perfazendo juros reais negativos contra o IPCA, e (ii) uma diferença de quase 20 pontos percentuais entre as leituras do IGP-M e do IPCA (como referência, em 2002 a diferença foi de aproximadamente 13 pontos percentuais).
Foto Autor
Mariano Andrade
27 / 02 / 2021 5 min de leitura

Cadastre-se gratuitamente e faça parte do maior site de Fundos Imobiliários do Brasil!

Efetuando o seu cadastro, você está concordando com os nossos termos de uso. Será enviado um e-mail solicitando a confirmação do cadastro.
O Clube FII preza pela qualidade do conteúdo e verifica as informações publicadas, ressaltando que não faz qualquer tipo de recomendação de investimento, não se responsabilizando por perdas, danos (diretos, indiretos e incidentais), custos e lucros cessantes.