A vertiginosa queda do XPCM11 e a condenação dos monoativos
POR
Rodrigo Cardoso de Castro (R_Cardoso)

top
Publicado em
12 / 07 / 2019
Foto Autor
Autor
Sócio-fundador Clube FII
Avaliações
1 Estrela 2 Estrela 3 Estrela 4 Estrela 5 Estrela
A vertiginosa queda do XPCM11 e a condenação dos monoativos

A fulminante queda do XPCM11, ocorrida nos dias 10 , 11 e 12 de julho de 2019 por conta do anúncio da saída da Petrobras, derrubou a cotação do fundo, levando-a de R$ 100,00 para menos de R$ 53,00 (e ainda pode cair mais) e causando polvorosa agitação nos fóruns do Clube FII.

Discussões acaloradas sobre tomadas de decisão, futuro do fundo, sugestões de venda, de compra e etc marcaram os principais assuntos das mensagens ali postadas. Neste mesmo dia, tivemos que pedir desculpas por nosso site ter apresentado instabilidade por conta deste forte solavanco financeiro.

Há muito tempo não se via um evento tão catastrófico em nosso sereno mercado de Fundos Imobiliários. Nem a saída da Petrobras do icônico Torre Almirante, no final de 2015, foi motivo suficiente para a cota do ALMI11 despencar com tanta brutalidade.

As tentativas de universalização de teses proféticas e demonização do fundos monoativos parecem ter dominado as declarações proferidas pelos investidores e, por isso, me provocaram a escrever este artigo.

Não tenho nenhuma pretensão de decretar o futuro do fundo ou de qualquer outro que seja. Muito pelo contrário. Gostaria de compartilhar minha visão com os demais participantes do Clube FII e emitir minha opinião sobre o ocorrido, sobre os fundos monoativos e pedir que tirem suas próprias conclusões.

Como no passado eu lidava com investimento em imóveis diretamente, tratava um evento parecido como algo absolutamente normal. O investidor comum de imóvel vivencia este tipo de contratempo com grande frequência. Tenho certeza que se este mesmo tipo de investidor tivesse a oportunidade de adquirir um imóvel com um grande desconto, com aluguel de 1,5% a.m, sabendo que o inquilino irá sair em janeiro de 2021, que irá pagar multas, e que existe outro contrato que garantiria mais 0,4% a.m até 2023, no mínimo pensaria estar diante de uma oportunidade, mesmo inserido em uma localização contestável. E pode ser que sim, que trate-se de uma grande oportunidade, embora este tipo de investidor do mercado imobiliário real tenha muito mais consciência de que não existem meios de saber o que irá ocorrer no futuro. A grande aposta pode virar uma decepção, e o imóvel virar um monumental elefante branco, como muitos nos nossos fóruns profetizaram.

Simplesmente não há nenhuma maneira de saber o que ocorrerá. As possibilidades são muitas, decorrem de extremos trágicos, até esplêndidos, e dependem de um conjunto de variáveis tão grande que qualquer tentativa de universalizar uma tese é ingênua. O fato são as informações que temos hoje.

A decisão de comprar agora, vender ou ficar de fora pode ser feita de maneira totalmente responsável e plena, do mesmo modo que um investidor de imóvel físico toma sua decisão e tolera os riscos. Normalmente de uma maneira extremamente lúcida. Por que não aplicarmos o mesmo pensamento?

Quanto aos fundos monoativos, particularmente gosto deles e acho que devemos entendê-los, em vez de demonizá-los por conta desse tipo de risco binário intrínseco a eles.

Os fundos de desenvolvimento possuem peculiaridades muito mais complexas. Caso o investidor não conheça o momento certo de entrar, pode se dar mal, muito mal, e nem por isso os demonizamos.

O que se deve fazer em relação aos fundos monoativos é o que se faz atualmente com os fundos de desenvolvimento: promover a educação, esclarecendo as características e tipos de risco de cada tipo de FIIs existentes.

Os fundos monoativos são os que mais se assemelham com o investimento que o brasileiro comum faz em imóveis físicos. Compra uma salinha comercial e a mesma possui um risco binário: ou está 100% locada ou 0%. O investidor de imóvel físico tem essa consciência e nem por isso se desespera pelo fato de perder o inquilino ou tampouco pensa em vender o ativo oferecendo descontos beirando os 50%. Não vou entrar na questão específica da localização do XPCM11. A minha tese é em torno dos fundos monoativos em geral.

A diversificação do fundo monoativo é possível e é extremamente simples: basta entender o risco binário e adquirir as cotas representando percentual baixo de seu patrimônio, caso não tenha fôlego para aguentar uma saída repentina de um inquilino que o ocupa 100% do imóvel. Se você investir R$ 1.000,00 em um fundo multiativo com 10 imóveis na carteira, ou investir em 10 fundos monoativos por R$ 100,00 cada, nos mesmos imóveis, o seu resultado será praticamente idêntico.

Ilude-se quem acredita que fundos multiativos são mais seguros. Não necessariamente. Isso depende da sua posição em carteira. Conforme exemplo acima, você pode gerenciar precisamente o grau do seu risco aumentando ou diminuindo a posição em distintos fundos monoativos. Os fundos multiativos também perdem seus inquilinos e estas quedas refletem proporcionalmente no preço de suas cotas.

A vantagem clara dos fundos monoativos é que o investidor consegue tomar uma decisão de investimento extremamente precisa de compra ou venda de ativos que ele acredita ter potencial, ou não, de valorização. Se eu acreditar que a Torre Almirante é um excelente imóvel e resolver apostar no seu potencial, tenho a opção de comprar ALMI11 e ter um upside muito maior do que se fosse através da compra do BRCR11, que no passado recente possuía parte do Torre Almirante. Neste último caso, eu “levaria junto” mais dúzias de imóveis do fundo.

O fundo monoativo possibilita este nível de especificidade e isso, ao meu ver, não deveria ser demonizado pelo mercado só pelo fato de carregar o risco binário. Se esta crítica fosse aplicada ao mundo real dos imóveis, todos estariam demonizando a compra de salas comerciais, pois seus riscos são binários.

Tais críticas obviamente não existem. Além disso, ficamos mal acostumados com a pior crise financeira da história do país que atravessamos. Muitos acreditam que a perda do inquilino significa game over, o que evidentemente também está longe de ser verdade.

Por fim, os administradores de Fundos Imobiliários normalmente também criticam os fundos monoativos, mas por uma razão diferente e mais prática. Não são tão lucrativos quanto os multiativos, ou até mesmo inviáveis, o que são de fato argumentos muito mais compreensíveis.

Cada fundo tem sua característica e cabe a cada investidor analisar, entender e tomar sua decisão. Todo investimento está sujeito a um grau de aleatoriedade. Com Fundos Imobiliários não é diferente. Toda decisão de investimento é muito pessoal e nunca poderá ser universalizada. Investir certo é investir com plena consciência dos riscos, independentemente do seu resultado futuro.

O yield dos FIIs e os indexadores dos ativos
No ano de 2020, o CDI acumulou 2,8%, o IPCA registrou 4,5% e o IGPM saltou 23,1%. No passado, se medido contra o IGP-M, o CDI já havia produzido juro real negativo em 2019, e também em 2002, quando o dólar avançou bastante pela incerteza acerca do governo do PT que se avizinhava. Porém, há dois ineditismos no comportamento dos indexadores em 2020, quais sejam: (i) o CDI perfazendo juros reais negativos contra o IPCA, e (ii) uma diferença de quase 20 pontos percentuais entre as leituras do IGP-M e do IPCA (como referência, em 2002 a diferença foi de aproximadamente 13 pontos percentuais).
Foto Autor
Mariano Andrade
27 / 02 / 2021 5 min de leitura
Locação de condomínios logísticos segue em alta, apesar da pandemia
De janeiro a setembro, mais de 900 mil m² de condomínios logísticos de classes A+ e A no Estado de São Paulo receberam novos inquilinos, segundo a plataforma de pesquisa imobiliária SiiLA Brasil. Este desempenho é superior ao do mesmo período de 2019, quando a absorção bruta somou 741.690 mil m² ao longo do 1º, 2º e 3º trimestres. Somente no terceiro trimestre de 2020, 310.592 m² de galpões de alto padrão foram ocupados por novos locatários no Estado, um crescimento de 51,2% quando comparado com o 3º trimestre de 2019.
Foto Autor
Giancarlo Nicastro
16 / 11 / 2020 5 min de leitura
O que podemos esperar dos FIIs nos próximos meses?
Apesar da recente recuperação do Ibovespa nos últimos dias, o índice ainda sofre para se fixar acima da marca de 100 mil pontos. Enquanto isso, os fundos imobiliários têm apresentado uma recuperação mais rápida e um futuro mais promissor. Não há como negar que os impactos causados pela pandemia de covid-19 foram grandes e que determinados FIIs ainda sofram com as oscilações do mercado, mas a retomada está sendo muito mais vigorosa do que em outros tipos de investimentos.
Foto Autor
Leonardo Nascimento
09 / 10 / 2020 5 min de leitura

Cadastre-se gratuitamente e faça parte do maior site de Fundos Imobiliários do Brasil!

Efetuando o seu cadastro, você está concordando com os nossos termos de uso. Será enviado um e-mail solicitando a confirmação do cadastro.
O Clube FII preza pela qualidade do conteúdo e verifica as informações publicadas, ressaltando que não faz qualquer tipo de recomendação de investimento, não se responsabilizando por perdas, danos (diretos, indiretos e incidentais), custos e lucros cessantes.