Localização como fator estratégico para o mercado de Lajes Corporativas
POR
Giancarlo Nicastro (Gianicastro)

top
Publicado em
28 / 09 / 2021
Foto Autor
Autor
CEO SiiLA Brasil
Avaliações
1 Estrela 2 Estrela 3 Estrela 4 Estrela 5 Estrela

Você já parou para pensar que a localização pode ser o principal fator de decisão no momento de escolher um imóvel ou terreno, seja o objetivo final para uso próprio ou para investimento? A localização é essencial para determinar o valor de uma propriedade, que por sua vez, varia de forma constante, levando em conta fatores como o desenvolvimento da economia local, a transformação do entorno e intervenções políticas.


Uma questão importante para entender a relevância da localização para determinar o valor de uma propriedade é compreender como surgem as regiões ou clusters, que consistem na formação de uma centralidade. Ele pode nascer a partir de uma operação urbana, que foi o caso da criação da região de escritórios da Faria Lima, que surgiu a partir de incentivos do poder público; com a chegada de uma grande empresa; entre outras formas. No Rio de Janeiro podemos mencionar Macaé, que floresceu a partir da instalação da Petrobrás na região.


É por essas razões que normalmente temos a concentração de escritórios nos grandes centros. Para se ter uma ideia, a região de São Paulo, que é atualmente o maior mercado de escritórios mapeado pela SiiLA Brasil, tem quase 8,5 milhões de m² em lajes corporativas das classes A+, A e B, 11 regiões CDB (Central Business Districts) e 9 regiões secundárias.


Os escritórios tendem a se aglomerar por conta da economia de escala, com a proximidade com os clientes, que favorece a sinergia entre as empresas e impulsiona os negócios. Outro importante drive é a acessibilidade, onde a oferta de transporte público, a qualidade das vias e calçamento exercem grande influência.


Os principais fatores de localização que interferem no valor de lajes corporativas são a infraestrutura de transporte público, a proximidade com outros empreendimentos e a oferta de comércio e serviços. Na capital paulista, o preço médio pedido é de 79 reais por metro quadrado e taxa de ocupação está em 78,9%, falando do mercado geral (classes A+, A e B).


Não é à toa que as regiões mais desejas para escritórios, como Itaim Bibi, JK e Faria Lima foram as que menos sentiram os impactos da pandemia de Covid-19, conforme podemos observar no gráfico que mostra o preço pedido versus a taxa de vacância nas regiões CBD de São Paulo (classes A+ e A). Além do fator localização, essas são regiões majoritariamente ocupadas por empresas do setor financeiro e grandes multinacionais, compondo o perfil de inquilino que tende a sofrer menos em períodos de crise, como este que estamos passando.

Gráfico 01 : Taxa de Vacância x Preço Médio Pedido

GRÁFICO 01: TAXA DE VACÂNCIA VERSUS PREÇO MÉDIO PEDIDO
Fonte: SiiLA Brasil


Para se ter uma ideia, no segundo trimestre de 2019, ainda antes de a pandemia estourar, a taxas de vacância de escritórios de alto padrão (A+ e A) do Itaim Bibi, JK e Faria Lima eram de 0%, 1,4% e 8,5%, respectivamente. No mesmo período de 2021, o Itaim Bibi segue 100% ocupada, enquanto JK e Faria Lima observaram um ligeiro aumento na taxa de vacância, com 2,6% e 12,3%, observando que tivemos a entrega do Birmann 32, na Faria Lima, que acrescentou quase 50 mil m² em lajes corporativas em julho de 2020.


Os dados mostram que o período pré-pandemia se desenhava como o melhor momento de escritórios da série histórica da SiiLA Brasil, que monitora os movimentos desse mercado desde 2015. No momento da construção do Birmann 32, o mercado especulava valores de pré-locação em torno dos 250 reais por metro quadrado na Faria Lima. Mesmo com crise econômica gerada com crise sanitária no país e no mundo, o empreendimento foi entregue parcialmente pré-locado para gigantes de tecnologia como o Facebook e outras empresas.


E vem mais novo estoque por aí na região da Faria Lima. Está prevista para os próximos meses a entrega do Faria Lima Plaza, mais um edifício de escritórios de alto padrão, com 22 andares, 6 subsolos e 40 mil m². O empreendimento já tem lajes pré-locadas para importantes players do segmento de e-commerce.


Ao passo que o ritmo da segunda dose da vacina alcança a população economicamente ativa e as empresas organizam seus escritórios para o retorno dos seus funcionários, ainda que de forma híbrida, a tendência é que o mercado de escritórios volte a ganhar fôlego para uma retomada.

A vertiginosa queda do XPCM11 e a condenação dos monoativos
A fulminante queda do XPCM11, ocorrida nos dias 10, 11 e 12 de julho de 2019 por conta do anúncio da saída da Petrobras, derrubou a cotação do fundo, levando-a de R$ 100,00 para menos de R$ 53,00 (e ainda pode cair mais) e causando polvorosa agitação nos fóruns do Clube FII.
Foto Autor
Rodrigo Castro
12 / 07 / 2019 5 min de leitura
FIIs de papel e o risco dos juros
Os fundos imobiliários normalmente são divididos em dois grandes grupos: fundos de tijolo e fundos de papel. Dentre os fundos de tijolo, há alguns com mandato de desenvolvimento, mas a maioria dos veículos detêm imóveis prontos com geração de renda de aluguel – é precisamente esta receita de aluguel que remunera o cotista via distribuições mensais.
Foto Autor
Mariano Andrade
09 / 10 / 2020 5 min de leitura
Fundos Imobiliários X Títulos Públicos – Renda Fixa é realmente livre de risco?
Será que, realmente, um Título Público é menos arriscado do que um FII? Quero propor uma abordagem diferente para demonstrar um aspecto que muitos investidores não se dão conta. Você deve analisar e entender os dois principais tipos de riscos que está exposto ao comprar um ativo.
Foto Autor
Thiago Otuki
04 / 01 / 2018 5 min de leitura

Cadastre-se gratuitamente e faça parte do maior site de Fundos Imobiliários do Brasil!

Efetuando o seu cadastro, você está concordando com os nossos termos de uso. Será enviado um e-mail solicitando a confirmação do cadastro.
O Clube FII preza pela qualidade do conteúdo e verifica as informações publicadas, ressaltando que não faz qualquer tipo de recomendação de investimento, não se responsabilizando por perdas, danos (diretos, indiretos e incidentais), custos e lucros cessantes.