Rendimentos 20 vezes maiores
POR
Daniel Isaac Nigri (dicadehoje)

top
Publicado em
29 / 04 / 2020
Foto Autor
Autor
Analista de Investimentos do Dica de Hoje Research
Avaliações
1 Estrela 2 Estrela 3 Estrela 4 Estrela 5 Estrela

Outro dia me perguntaram se eu achava se este era um bom momento para investir em FIIs.


A minha resposta veio em uma única imagem retirada da minha assinatura no ClubeFii e que se refere aos rendimentos do Fundo ABCP11, o Fundo que detém o principal shopping de Santo André.


ABCP11 Distribuições
Fonte: Clube FII

O Fundo ABCP11 não é recomendação de compra e apenas foi utilizado por ter um histórico longo o suficiente para pegar vários ciclos da economia.


Vemos na imagem acima de rendimentos trimestrais do Fundo ABCP11 duas questões principais:


No primeiro trimestre existe um aumento sazonal de rendimentos referente às vendas de Natal e da Black Friday, valores estes que são cobrados nos aluguéis de dezembro e janeiro e são repassados como rendimentos principalmente em fevereiro do ano seguinte.


Fica nítido em uma imagem como essa em 16 anos o aumento dos valores dos aluguéis e o crescimento de receitas que o shopping teve. Os rendimentos hoje são mais de 3x maiores do que eram em 2004.

Se adicionarmos a este cálculo possíveis aportes adicionais que o cotista tenha feito nesse período e reinvestimento dos rendimentos recebidos, a Renda do investidor pode ser hoje, 16 anos depois, até mesmo 100x maior do que aquela de 2004.


Vamos a um exemplo rápido.


Um investidor que tinha R$ 50.000,00 no fundo ABCP11 em 2004. Imaginando com yield de 8% ao ano. Naquela época, as taxas de juros no Brasil eram maiores. Este investidor recebia R$ 4.000,00de renda anual.


Em 16 anos que se passaram, ou 192 meses, o investidor investiu R$ 2.000,00 por mês, ou seja, R$ 24.000,00 por ano. Dessa forma, o valor investido foi de R$ 434.000,00 a valor de custo. Ou seja, os aportes foram responsáveis por aumentar a carteira em 8x.


Mas ainda temos os reinvestimentos dos rendimentos que foram obtidos ao longo dos anos. No ano 1, foram investidos R$ 24.000,00 de aportes, mais R$ 4.000,00 de rendimentos. No ano 2, com R$ 78.000,00 investidos, mantendo um yield de 8%, o rendimento já teria subido para R$ 6.240,00. No terceiro ano, o investimento seria do aporte de R$ 24.000,00 mais os R$ 6.240,00 de rendimento, ou seja, sem valorização da cota, o valor do rendimento anual seria de R$ 8.659,20 sobre um valor em carteira de R$ 108.240,00


Continuando os juros compostos e a linha exponencial, veremos uma renda crescente a taxas muito atraentes. Nos dois primeiros anos apenas, a renda mais do que dobrou.


Certamente esse investidor de longo prazo não está incomodado hoje, ou não deveria estar, de ter feito algumas compras no passado a preços maiores do que deveria, ou antes de grandes quedas.


Como contraponto, vou pegar um Fundo igualmente antigo e que também mudou pouco o seu portfólio de ativos, o Europar, código EURO11. Um fundo de gestão passiva que os analistas passam longe dele. Vamos ver os motivos.


Veja a imagem abaixo dos rendimentos do Fundo EURO11 no longo prazo desde 2003.


EURO11 Distribuições
Fonte: Clube FII

É interessante observar que de 2006 a 2012, enquanto os primeiros contratos do Fundo estavam vigentes naqueles imóveis comprados e enquanto a economia ia bem, o rendimento se manteve quase constante, entre R$ 4,00 a R$ 4,60 por trimestre.


Depois desse período tivemos uma redução brusca e, desde 2019, o Fundo tem entregado em média R$ 1,66 a R$ 2,10 por trimestre (excluindo a distribuição não recorrente do 3T2019).


Qual a grande diferença entre o ABCP11 e o EURO11?


Tendemos a falar que o problema é a gestão e indiretamente essa é a responsável, mas cabe mencionar algo que na minha visão é mais importante ainda:


A Qualidade dos Imóveis!!!


Os imóveis do EURO11 ficaram velhos e não acompanharam as especificações atuais. Alguns dos imóveis situados no Rio de Janeiro estão sendo negociados com aluguel por m² menor do que 7 anos atrás. Mesmo com a redução de vacância nos últimos meses para 19%, o Fundo não consegue alcançar valores contratuais e de rendimentos de 2006 a 2012.


É problema de gestão sim. Mas o investidor precisa acompanhar o Fundo e perceber que a qualidade dos imóveis de novos fundos é superior a daquele fundo que ele possui.


O investidor também precisa saber que vender um fundo que não faz a reciclagem dos imóveis, vendendo imóveis velhos e mal localizados, é muito importante para a carteira e para os seus retornos de longo prazo.


Os preços dos FIIs caíram muito. Alguns Fundos já estão sendo negociados sem desconto algum sobre o Valor Patrimonial, mas outros com qualidade superior de imóveis são verdadeiras barganhas.


Nossa carteira de FIIs é modificada duas vezes por ano. Em maio e em novembro. A alteração será realizada neste próximo final de semana. Não perca a chance de pegar as recomendações fresquinhas. A carteira recomendada do Dica de Hoje está disponível para os assinantes do FII Data Plus.


TRXF11 e a venda do Imóvel Camil: Valeu a pena?
Nos últimos dias, o fundo TRX Real Estate (TRXF11) informou a mercado a venda do seu imóvel mais antigo: o galpão localizado na cidade do Rio de Janeiro, que estava locado à Camil Alimentos. Alguns elogiaram a operação, por ter evitado custos de vacância; alguns criticaram pelo valor da venda. Então, vamos aqui trazer algumas informações e observar os detalhes que passaram despercebidos por muita gente.
Foto Autor
Nathan Octavio
12 / 11 / 2021 5 min de leitura
Fundos Imobiliários X Títulos Públicos – Renda Fixa é realmente livre de risco?
Será que, realmente, um Título Público é menos arriscado do que um FII? Quero propor uma abordagem diferente para demonstrar um aspecto que muitos investidores não se dão conta. Você deve analisar e entender os dois principais tipos de riscos que está exposto ao comprar um ativo.
Foto Autor
Thiago Otuki
04 / 01 / 2018 5 min de leitura
Petróleo e Gás perdem espaço nos escritórios do Rio de Janeiro
Empresas com atuação no setor de Petróleo e Gás são as que mais demandam espaços de escritórios na cidade do Rio de Janeiro. Se olharmos apenas os empreendimentos de alto padrão (A+ e A), esta predominância fica ainda mais evidente. De acordo com a plataforma de pesquisa SiiLA Brasil (Sistema de Informação Imobiliária da América Latina) do total de lajes de alto padrão disponíveis na cidade, o setor é responsável por locar 28,80% , isso no primeiro trimestre de 2020.
Foto Autor
Giancarlo Nicastro
18 / 06 / 2020 5 min de leitura

Cadastre-se gratuitamente e faça parte do maior site de Fundos Imobiliários do Brasil!

Efetuando o seu cadastro, você está concordando com os nossos termos de uso. Será enviado um e-mail solicitando a confirmação do cadastro.
O Clube FII preza pela qualidade do conteúdo e verifica as informações publicadas, ressaltando que não faz qualquer tipo de recomendação de investimento, não se responsabilizando por perdas, danos (diretos, indiretos e incidentais), custos e lucros cessantes.